Mamaplastia

/Mamaplastia
Mamaplastia 2018-05-14T16:34:54+00:00

A mamaplastia ou cirurgia plástica das mamas, apresenta múltiplas variações de acordo com o diagnóstico estético das mamas. Esse diagnóstico é composto pela avaliação de 3 itens principais: tamanho (pequenas ou grandes, simétricas ou assimétricas), quantidade de pele (normal ou sem flacidez, excedente ou com flacidez e queda) e forma. Podemos ter as mais diversas combinações de alterações estéticas e para cada uma delas há uma técnica mais adequada de correção.

MAMAPLASTIA REDUTORA
Em casos onde a alteração estética predominante é o aumento de volume (tamanho) das mamas, temos a indicação de realizar uma mamaplastia redutora. Podemos reduzir as mamas praticamente a qualquer tamanho que a paciente achar mais conveniente e bonito, com exceções aos extremos. Esse padrão solicitado costuma variar de acordo com a idade, presença ou não de filhos e influências sócio-culturais. É importante destacar que, quanto maior for a redução do volume, maior será o excedente de pele a ser retirado para promover um novo equilíbrio das mamas e, como conseqüência direta, quanto maior a quantidade de pele ressecada, maiores serão as cicatrizes ao final do procedimento.

CORREÇÃO DE PTOSE MAMÁRIA
A ptose mamária ou “queda das mamas” é uma alteração estética muito freqüente e que causa muito incômodo às pacientes. É resultado do excedente de pele geralmente provocado após a amamentação, quando as mamas aumentam muito seu volume (distendendo a pele) e depois voltam ao seu tamanho normal, sendo a pele incapaz de acompanhar essa variação. Nesses casos, não há excesso de volume sendo necessário um completo reposicionamento das estruturas componentes das mamas e a retirada das “sobras de pele” para promover a correção estética.

MAMAPLASTIA DE AUMENTO – PRÓTESE DE MAMA
É a cirurgia estética mais realizada no Brasil.
Quando a paciente manifesta o desejo de aumentar o volume de suas mamas, não há outro caminho a seguir senão o da mamaplastia de aumento com próteses de silicone. Esse procedimento, com a notável evolução tecnológica das próteses, alcançou grande segurança e confiabilidade. Atualmente mulheres de todas as idades recorrem ao uso de próteses não só para terem um maior volume mamário, mas também para atingirem uma melhor forma e consistência das mamas. Existem diversas técnicas para a realização da mamaplastia com prótese e também vários tipos de próteses que podem ser utilizadas de acordo com cada caso específico.

Qual a idade ideal para realizar a mamaplastia?
De fato, não existe uma idade ideal e sim a oportunidade ideal. Recomendamos apenas que as pacientes mais jovens, tanto as que desejam próteses quanto as que querem reduzir seu volume mamário, aguardem o período necessário para o desenvolvimento completo de suas mamas afim de que se possa fazer o diagnóstico mais correto possível da alteração estética e para que as glândulas possam, no futuro, desempenhar corretamente suas funções na amamentação.

Existe algum exame pré-operatório específico?
Os exames pré-operatórios solicitados para uma mamaplastia seguem a rotina de quaisquer outras cirurgias variando com a idade, tipo de anestesia, doenças prévias e associadas. Em nossa prática clínica, achamos conveniente a realização de pelo menos um exame de imagem das mamas – ultrassom ou mamografia – para todas as pacientes candidatas a mamaplastia, com o objetivo de detectar possíveis alterações que passaram despercebidas no exame clínico ou simplesmente para que possamos fazer comparações em exames futuros.

Qual o tipo de anestesia? Quanto tempo de cirurgia e de internação?
Basicamente podemos optar tanto pela anestesia geral quanto pelo bloqueio peridural para quaisquer técnicas de mamaplastia. Em casos selecionados de inclusões de próteses, podem ser realizados bloqueios locais acompanhados de sedação.
O tempo de cirurgia Pode variar de 50 minutos em mamaplastias de aumento com prótese até 150 minutos em casos de reduções de mama.
Variando de acordo com o tipo de anestesia e a técnica cirúrgica empregada, a paciente necessita permanecer em ambiente hospitalar de meio dia até 24 horas.

Onde ficam as cicatrizes desse tipo de cirurgia? Poderei usar roupas de banho?
Quando analisamos as cicatrizes de uma mamaplastia, precisamos fazer uma divisão prévia. Em um extremo, estão as pacientes jovens, sem filhos, sem excessos de pele e que serão submetidas apenas a colocação de implantes de silicone. Para estas, as cicatrizes são muito pequenas e facilmente camufladas até sob roupas de banho bem curtas, podendo se localizar no sulco mamário (dobra da pele na parte inferior da mama) ou em torno da aréola. No outro extremo, temos as mulheres com grandes excedentes de pele, geralmente após várias gestações e/ou grandes oscilações de peso. Nestes casos, as cicatrizes geralmente abrangem todo o contorno da aréola e seguem para baixo, em direção ao sulco mamário, formando uma letra L ou T invertido. Contudo, na grande maioria das vezes, as cicatrizes podem ser programadas para ocupar locais facilmente cobertos até por roupas de banho como biquinis. Lembramos sempre que a extensão das cicatrizes é proporcional à quantidade de pele que necessita ser retirada.

A cirurgia pode atrapalhar uma futura amamentação? É verdade que a sensibilidade na aréola e no mamilo pode diminuir ou até desaparecer?
Quando a técnica cirúrgica é corretamente planejada e executada, a mamaplastia não terá qualquer efeito à função de amamentação, podendo a paciente operada, em caso de gestação futura realizar o aleitamento materno sem quaisquer dificuldades. Apenas nos casos de grandes reduções, quando grande porção de tecido glandular das mamas necessita ser retirado, há um pequeno risco de ocorrerem lesões nos canais responsáveis pela condução do leite até o mamilo, podendo assim gerar dificuldades em caso de uma futura amamentação.
A sensibilidade tanto da aréola e mamilo quanto de toda a mama geralmente apresenta-se diminuída nos primeiros meses após a mamaplastia. Contudo essa alteração é transitória retornando anormalidade em um período que pode chegar a 6 meses. Em pequena porcentagem de casos, principalmente naqueles em que são feitas incisões em torno das aréolas, podem ocorrer distúrbios de sensibilidade persistentes.

É verdade que preciso trocar minhas próteses a cada 10 anos? E quando for trocar, terei que colocar um volume maior?
Com o desenvolvimento tecnológico e o aprimoramento dos materiais utilizados no revestimento das próteses de silicone, com destaque para o poliuretano e as microtexturas, temos observado um tempo cada vez maior de permanência dos implantes sem riscos ou problemas para as pacientes. Não há, portanto, um prazo de validade ou prazo fixo no qual a prótese precisa ser trocada. Contudo há a necessidade de reavaliações periódicas feitas pelo cirurgião plástico e pelo radiologista as quais determinarão o momento ideal para a retirada ou substituição dos implantes de silicone.
No momento oportuno de substituição dos implantes, estes não precisam necessariamente ser trocados por outros de maior volume. O que ocorre é que, após vários anos utilizando os implantes, há um processo natural de distensão da pele e se a paciente resolver trocar por próteses de menor ou igual volume, haverá um excedente de pele que necessitará ser retirado, gerando novas e maiores cicatrizes que as já existentes. Por esta razão, a maioria dos cirurgiões recomenda que sejam usados implantes maiores na ocasião da substituição, para que a pele excedente seja “preenchida” eliminando assim a necessidade de novas incisões e cicatrizes.

Como é o pós-operatório? Quanto tempo em repouso? Dói muito?
A paciente normalmente recebe alta hospitalar no dia seguinte ao procedimento. Há limitações principalmente quanto aos movimentos dos braços por um período aproximado de duas semanas. Orientamos dormir de barriga para cima e recomendamos o uso de sutiãs de malha elástica levemente compressiva. Os pontos são retirados entre o 7º e o 14º dias. A dor não é comum mas pode ocorrer sendo de geralmente de fraca/moderada intensidade e de fácil controle com analgésicos comuns. As atividades como dirigir e movimentar os braços livremente são retomadas gradualmente a partir do 21º dia sendo que os exercícios físicos localizados para o tórax e membros superiores poderão ser realizados após 2 meses.
Nos casos onde foram feitas apenas inclusões de implantes de silicone a recuperação é mais rápida e o retorno às atividades (exceto exercícios) já pode ser feito na terceira semana, com variações caso a caso.

Em quanto tempo terei o resultado final?
A mamaplastia é um procedimento cujo resultado sofre grandes alterações ao longo do tempo, principalmente no primeiro ano. A forma final da mama só poderá ser observada a partir do 9º mês e as cicatrizes só estarão completamente inativas após aproximadamente 18 meses. Portanto, o tempo médio para uma avaliação final segura é de 1 ano.
Nos casos de próteses, após 90 dias já é possível se ter uma boa ideia do resultado final, porém, as considerações feitas acerca das cicatrizes também tornam o período de 1 ano o ideal para avaliações definitivas.