Cirurgias Reparadoras

/Cirurgias Reparadoras
Cirurgias Reparadoras 2017-12-27T18:49:49+00:00

Apesar da Cirurgia Plástica figurar na mídia e no conhecimento popular através de um forte apelo estético, é na Cirurgia Reparadora que se encontram as origens da especialidade e a base técnica de praticamente todos os procedimentos estéticos hoje praticados.

O dano gerado por uma deformidade, congênita ou adquirida, vai muito além do que os olhos podem observar, atingindo profundamente o paciente e comprometendo seu equilíbrio físico, mental, emocional e social.

O profundo conhecimento da anatomia humana, a capacidade de criação e senso estético, são requisitos essenciais ao cirurgião plástico que se dispõe a realizar qualquer cirurgia reparadora.

A reparação minuciosa de cada estrutura comprometida por uma deformidade é capaz de devolver ao paciente muito mais do que uma parte de seu corpo, pode trazer de volta sua dignidade, autoconfiança, estabilidade emocional e convívios familiar e social saudáveis.

Tumores de Pele

A neoplasia de pele (câncer de pele), é o tipo mais freqüente de tumor maligno que afeta o organismo humano. Em áreas de clima tropical, onde observamos intensa irradiação solar, a ocorrência desses tumores é ainda maior.

Aparece como uma pequena lesão (tipo espinha, escoriação ou mancha) que não cicatriza ou que desaparece e retorna no mesmo local de tempos em tempos. Raramente apresenta dor mas pode causar coceira e até sangramento.

Em praticamente todos os casos confirmados, o tratamento é cirúrgico e o procedimento, quando realizado de maneira adequada, é capaz de promover a cura completa desse tipo de tumor, sem a necessidade de quimioterapia e/ou radioterapia na grande maioria das vezes.

Qualquer parte do corpo pode ser atingida, porém a face é o local mais freqüente. Sendo assim, a opção por um cirurgião plástico habilitado e com experiência neste tipo de procedimento é ainda mais importante pois pode garantir não somente a cura como também o mínimo de deformidade possível após a retirada da lesão.

Reconstrução das Mamas

As mamas femininas desempenham papel fundamental na reprodução (através da amamentação) e também possuem vital importância na definição dos gêneros e na sexualidade das mulheres.

O câncer de mama ainda representa um grande desafio à Medicina. Não só por não ter uma causa conhecida e passível de prevenção, mas também porque seu tratamento algumas vezes envolve cirurgias mutilantes e carregadas de seqüelas tanto funcionais como estéticas.

Existe um grande número de técnicas para retirada de tumores de mama que variam de acordo com sua localização, tamanho e estadiamento. Do mesmo modo, as opções disponíveis para reconstrução das mamas são muitas e dependem do tipo de cirurgia realizada pelo mastologista. Cada vez mais a associação entre mastologista e cirurgião plástico torna-se indispensável no tratamento dessa patologia. Essa integração, iniciada desde o período pré-operatório, é capaz de minimizar o sofrimento das pacientes pois permite que seja proposto um tratamento completo que se inicia com a retirada do tumor, passa (muitas vezes) por sessões de quimioterapia e/ou radioterapia e termina com a reparação das mamas devolvendo, dentro dos limites possíveis, o equilíbrio estético dessa região tão importante.

As reconstruções das mamas podem ser imediatas (já no mesmo procedimento da retirada do tumor) ou tardias (em outro tempo cirúrgico) e podem utilizar tecidos da própria paciente (pele, gordura, músculos) e/ou materiais sintéticos (expansores e implantes de silicone).

Traumatismos Faciais

Os traumatismos faciais incluem quaisquer lesões de origem traumática que acometam pele, músculos, cartilagens e ossos de qualquer região ou órgão da face. São muito freqüentes em crianças (traumas domésticos), em casos de acidentes de trânsito e ainda nas agressões interpessoais.

A avaliação correta e pormenorizada, realizada por cirurgião plástico experiente, pode revelar lesões muitas vezes negligenciadas em análises de rotina de emergência. Na face temos estruturas diversas e muito importantes (olhos, pálpebras, nariz, orelhas, lábios, cavidade oral) cujas alterações, tanto funcionais como estéticas, geradas pelo trauma, devem ser reparadas com o máximo rigor técnico, evitando seqüelas e deformidades permanentes.

Feridas Cutâneas / Úlceras de Pressão (Escaras)

As feridas na pele, tanto agudas (traumas) quanto crônicas (úlceras por varizes, feridas em diabéticos, úlceras de pressão) necessitam de toda atenção e cuidado. Podem ser tratadas, de maneira conservadora, com curativos e medicamentos tópicos ou ainda através de cirurgias de reparação das áreas comprometidas.

Malformações Congênitas

Entre as mais comuns estão a fissura lábio-palatina (lábio leporino), as deformidades das orelhas, as malformações dos dedos das mãos e/ou pés (polidactilia e/ou sindactilia), ptose palpebral (“queda” das pálpebras), entre outras.

Devido a sua complexidade e variedade de apresentações clínicas, essas patologias necessitam de avaliação específica para definição da melhor conduta.